AUTO MOTO ESCOLA UNIÃO

AUTO MOTO ESCOLA UNIÃO

sábado, 31 de março de 2012

CASO CHIQUINHO DESPACHANTE

PC prende e solta PM aposentado

Um sargento aposentado da Polícia Militar foi preso, na manhã dessa quinta-feira (29), por suposto envolvimento na série de assassinatos que teria sido praticada por Laércio Soares Melo, o cabo Melo, entre eles o do empresário Francisco Santos Filho, o Chiquinho despachante. Porém, ele foi solto ainda ontem, porque a testemunha, ouvida anteontem pelo delegado Rodrigo Bossi Pinho, da Especializada de Homicídios de Belo Horizonte, não o reconheceu pessoalmente. A princípio, a mulher teria reconhecido o policial através de uma fotografia, levando o delegado a requerer um mandado de prisão contra ele, o que foi acatado pela Justiça, com a diligência policial sendo cumprida na manhã de ontem, quando o ex-militar foi detido na cidade de Bocaiúva e trazido para a Delegacia Regional de Montes Claros.
O policial aposentado foi colocado entre quatro pessoas para o processo de acareação, mas a testemunha não o reconheceu pessoalmente, levando o delegado Rodrigo Bossi a liberá-lo. Entretanto, o chefe das investigações informou que há indícios de que a testemunha e seus familiares estejam sofrendo ameaças para omitir importantes informações sobre os crimes que teriam sido praticados pelo cabo Melo e por outros comparsas, provavelmente policiais militares. Mas o delegado afirmou que as apurações vão continuar até o desfecho esperado pela sociedade. Rodrigo Bossi informou ainda que sua equipe descobriu três locais onde o corpo de Chiquinho pode ter sido desovado, e que eles serão, minuciosamente, checados com o objetivo de encontrar os restos mortais do empresário, desaparecido desde o dia 30 de dezembro de 2009.
Sobre as regalias que o cabo Melo estaria tendo em sua prisão, no quartel da Polícia Militar, inclusive, andando de um lado para outro usando aparelho celular e com escolta, o delegado afirmou que, por decisão da Justiça, ele terá que ficar incomunicável e preso num quarto, apenas com o direito de receber visitas. Segundo Rodrigo Bossi, a decisão foi tomada após ele tomar conhecimento da “liberdade” que o acusado estaria tendo no quartel da PM, levando-o a acionar a Justiça, que acatou o seu pedido e determinou o isolamento do suspeito no Batalhão da PM. O cabo Melo foi preso por uma equipe da Polícia Civil de Belo Horizonte, após uma série de investigações envolvendo quatro equipes de investigadores de Montes Claros e da capital.

sábado, 24 de março de 2012

EMPATOU: Número de homicídios alcança o mesmo período de 2011

Sexagenário é assassinado em Rebentão dos Ferros

Subiu para 23 o número de homicídios em Montes Claros neste ano, igualando a marca do primeiro trimestre de 2011, mas faltando ainda pouco mais de uma semana para terminar março. Este vem sendo considerado um mês rubro-negro, por causa do derramamento de sangue e o número de assassinatos: nove contra seis do mesmo período do ano passado. O 23º homicídio ocorreu no povoado de Rebentão dos Ferros, na zona rural do município, figurando como vítima Juarez Gonçalves Pereira (65 anos). Por volta das 16h50 de quinta-feira (22), o seu corpo foi encontrado no quintal de sua casa, com dois cortes profundos na cabeça, um corte superficial na região da coluna vertebral e escoriações pelo corpo. Porém, a Polícia Militar agiu rápido e prendeu o suspeito do assassinato.
Segundo uma testemunha, um homem de 52 anos, cujo nome foi preservado, por volta das 15 horas de quarta-feira (21), ele e Juarez Gonçalves estariam tomando “cachaça” na casa do suspeito Valdemir S. L., o Codilo (18 anos), residente no Rebentão dos Ferros, juntamente com o avô do rapaz. Ainda segundo a testemunha, por volta das 18h30, a vítima já apresentava sinais de embriaguez e seguiu em direção à sua casa. Porém, ao observar a dificuldade do sexagenário para caminhar, Codilo e seu avô decidiram ajudá-lo a chegar à sua residência. Entretanto, em determinado momento do percurso, a testemunha e o avô do jovem teriam retornado cada qual para sua casa, enquanto o teria continuado a ajudar a vítima no percurso.
A testemunha relatou à Polícia Militar, que Codilo teria demorado muito a retornar e quando chegou à sua casa, ele apresentava comportamento estranho, tendo tomado banho e saído apressado. Diante das informações, a guarnição policial iniciou o rastreamento e conseguiu localizar Valdemir S. L. Questionado pela PM, o jovem apresentou contradições em suas alegações, apenas informando que em data anterior teria tido uma discussão com a vítima por motivos fúteis, contudo, negou ser o autor do crime. Ainda de acordo com a testemunha, a vítima tinha em seu bolso a quantia de R$ 56,00 em dinheiro, que não foi localizada pela perícia.
O homem relatou ainda aos policiais e que teria tomado conhecimento, através de um amigo, que o suspeito Codilo teria gastado certa quantidade de dinheiro no comércio de Nova Esperança, fato que levantou a suspeição sobre Valdemir por ele não possuir renda e viver à custa do avô. Diante disso, o suspeito foi preso er conduzido à Delegacia de Polícia para maiores esclarecimentos. Um perito criminal compareceu ao local do crime, quando realizou os trabalhos de praxe, constatou as lesões e liberou o corpo de Juarez Gonçalves para o posto do Instituto Médico Legal (IML) para ser necropsiado.

MANDADOS DE PRISÃO

Lei Maria da Penha para dois
e tráfico de drogas para um

Cumprindo mandados de prisões preventivas, expedidos pelos juízes Isaias Caldeira Veloso e Maurício Leitão Linhares, investigadores da 101ª Área Integrada de Segurança Pública (AISP 101) prenderam, na última quinta-feira (22), dois homens indiciados pelo crime de violência contra a mulher. Na Praça Coronel Ribeiro, Centro de Montes Claros, foi preso R. A. S. J. (21 anos) e na Avenida Agenor José de Moraes, no Bairro Jaraguá II, os investigadores prenderam Eduardo Afonso dos Santos (32 anos).

TRÁFICO DE DROGAS

Também foi preso, na última quinta-feira, por força de mandado de prisão, o procurado R. S. P. (19 anos), acusado pelo crime de tráfico de drogas na cidade de Salinas. Ele foi detido quando tentava tirar a segunda via de sua identidade na Unidade de Atendimento Integrado (UAI), localizada na Avenida João XXIII, Bairro Edgar Pereira, em Montes Claros. Todos os presos por força de mandados foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Civil e, em seguida, conduzidos para o Presídio Regional, no Bairro Jaraguá II, ficando à disposição da Justiça.
Participaram das prisões os investigadores da Polícia Civil, Weney Oliveira, Eduardo Oliveira, Henrique Ladeia Cangussu, Emerson Mota, Paulo César Lopes e Dalton, equipe comandada pelo delegado titular da AISP 101, Jurandir César Rodrigues Filho.

sexta-feira, 23 de março de 2012

TARADO

Quarentão é acusado de abusar
da neta da ex-amante em Jaíba

Um homem de 41 anos foi preso, na quinta-feira (22), sob a acusação de acariciar as partes íntimas de uma menina de 11 anos de idade. O fato teria ocorrido na manhã de anteontem, na Rua B, Bairro Cidade Nova, em Jaíba, a 205 quilômetros de Montes Claros. O caso chegou ao conhecimento da Polícia Militar através de uma tia da criança. A mulher ficou indignada ao saber que a sobrinha, que também é sua afilhada, teria sido molestada pelo quarentão. A garota anos relatou que o homem teria entrado na casa e começado a passar a mão no órgão genital dela. O acusado tinha acesso à residência pelo fato de ter sido amante da avó da menina.

Segundo a PM, o homem teria acariciado a parte íntima da criança, dizendo que ela não poderia contar a ninguém sobre o fato. Ele teria ainda induzido a menina, oferecendo-lhe R$ 2,00 para ele se masturbar passado a mão na virilha e na vagina da garota. Pouco tempo depois, os policiais localizaram e prenderam o homem, que foi encaminhado à Delegacia da Polícia Civil de Jaíba, onde teve que se explicar o motivo de abusar sexualmente da menina, neta da ex-amante dele.

segunda-feira, 19 de março de 2012

TENTATIVA DE ASSALTO

Bandidos matam rapaz e ferem outro no Santo Amaro

Após uma ligeira retração nos dois primeiros meses do ano, a violência voltou a crescer, assustadoramente, em Montes Claros em março, com o número de homicídios ficando bem próximo do registrado no primeiro trimestre do ano passado, quando o município estabeleceu o macabro recorde de 111 mortes. De janeiro a março de 2011, 23 pessoas foram assassinadas na cidade, seis no mês de março. Neste ano, 22 pessoas mortas no município, oito apenas neste mês, que ainda faltam pouco mais de 10 dias para acabar. Depois das duas execuções na Avenida dos Militares, desafiando os organismos policiais, os bandidos voltaram a fazer mais uma vítima no último final de semana.
A Polícia Civil já começou a investigar uma tentativa de assalto seguida de assassinato, na madrugada de domingo (18), em Montes Claros. Um jovem de 25 anos morreu e outro de 18 ficou ferido durante a ação criminosa. De acordo com a Polícia Militar, Fábio Coutinho (25 anos) e Ariel Pereira do Nascimento (18) passavam de moto pelo Bairro Santo Amaro, quando foram abordados por quatro bandidos em outras duas motocicletas, que anunciaram o assalto.
Assustado, o piloto Fábio Coutinho acelerou a moto para tentar escapar dos criminosos, mas acabou atingido por dois disparos de arma de fogo, que ceifaram, prematuramente, a sua vida. Já Ariel Pereira tentou fugir a pé, mas também levou dois tiros de revólver, sendo encaminhado a um hospital de Montes Claros, onde recebeu atendimento médico. Com mais esta morte, Montes Claros chega a 22 assassinatos neste ano, com média de 7,3 crimes mensais, voltando mais uma vez a preocupar a população, já que inocentes também vêm perdendo vidas em meio ao cenário de violência que domina o município já há alguns anos.

sábado, 17 de março de 2012

DE VOLTA À CENA DO CRIME


Pistoleiros executam outro mototaxista na avenida Dos Militares



Fotos: Rogeriano Cardoso






Vítima tentou fugir, mas acabou baleada

Polícia Militar registra segundo homicídio no mesmo local





A violência voltou com força total em Montes Claros, sem que as policiais Militar e Civil consiga contê-la. Isso fica evidente em apenas uma semana, em que foram registrados quatro assassinatos em Montes Claros. A suspeita é de que estejam relacionados ao tráfico de drogas, apontado pela polícia como responsável pela maioria dos crimes contra pessoa registrados na cidade nos últimos anos.
Na noite de sexta-feira (16), um ponto de mototáxi na avenida Dos Militares, no bairro Santa Rita, voltou a ser palco de mais um homicídio. O primeiro ocorreu na noite de quarta-feira (14), quando quatro homens em duas motocicletas chegaram ao local e pararam em frente ao ponto de mototáxi. Um dos passageiros desceu e entrou no estabelecimento atirando contra Magno Souza Araújo (25 anos). Ele morreu com onze tiros.
Com os mesmos modus operandi, dois homens numa moto CB 300 de cor escura, chegaram ao mesmo ponto de mototáxi e assassinaram com 13 tiros o mototaxista Alexandro de Jesus (36 anos). Dois mototaxistas que estavam no local no momento da execução foram alvejados, cada um, com um tiro no pé esquerdo. Eles foram socorridos por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhados para o Hospital Aroldo Tourinho.
Segundo o perito da Polícia Civil, João Laércio Neto, a vítima Alexandro foi alvejada com tiros de uma pistola Ponto 40, na nuca, nádegas, ombro esquerdo, pescoço, coxas, fêmur e rosto. De acordo com a Polícia Militar, a vítima, que residia no bairro Morrinhos, possuía sete passagens pelos meios policiais, a maioria pelo envolvimento com o tráfico de drogas.
Após os trabalhos de praxe da perícia técnica, o corpo do mototaxista foi liberado e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ser necropsiado. Na cena do crime, homens do Grupo de Proteção a Vida (GPV) da Polícia Militar, realizavam levantamentos no intuito de levantar informações dos possíveis pistoleiros do tráfico. Mas até o fechamento desta edição nenhum suspeito havia sido preso. O caso será investigado pela Polícia Civil.

ESTATÍSTICA

O ano de 2012 começou violento em Montes Claros, mas com um alento para a população, que espera que o número de homicídios e demais crimes violentos caiam sobremaneira no município, ao contrário de 2011, que começou quente e fechou com 111 assassinatos, um aumento de 20% em relação a 2010. Nos três primeiros meses do ano passado, 23 homicídios foram registrados em Montes Claros, sendo oito em janeiro, nove em fevereiro e seis em março. Neste ano, até o momento, 21 crimes aconteceram, sendo seis em janeiro, oito em fevereiro e sete em março.

quinta-feira, 15 de março de 2012

PISTOLEIROS DO TRÁFICO MATAM MAIS UM



Mototaxista é executado com 11 tiros em seu local de trabalho



Fotos: Alex Tuta






Subiu para 20 o número de assassinatos em Montes Claros neste ano e o fatídico balanço do primeiro trimestre pode superar o mesmo período do ano passado, quando o município bateu o seu macabro recorde de 111 mortes. No primeiro trimestre de 2011, foram 23 homicídios. Mesmo com o grande número de apreensão de armas de fogo pela Polícia Militar, os atentados e homicídios continuam no mesmo ritmo e preocupam a população.
Na noite de quarta-feira (14), mais uma execução foi consumada em Montes Claros, desta vez na Avenida dos Militares, no Bairro Santa Rita, bem próximo do 10º Batalhão da Polícia Militar (BPM), figurando como vítima um mototaxista, que tinha uma passagem pelos meios policiais por envolvimento com o tráfico de drogas.
Segundo a Polícia Militar, quatro homens em duas motocicletas chegaram ao local de trabalho da vítima, pararam em frente ao ponto de mototáxi, quando um dos passageiros desceu e entrou no estabelecimento atirando em Magno Souza Araújo (25 anos). Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) foi acionada e constatou o óbito da vítima. A perícia técnica da Polícia Civil também esteve na cena do crime e procedeu os levantamentos de praxe, constatando onze perfurações no corpo da vítima.
Após os trabalhos da perícia, o corpo do mototaxista foi liberado e encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ser necropsiado. O Grupo de Proteção à Vida (GPV) acompanhou a ocorrência e conseguiu informações sobre os possíveis autores, que podem ser presos a qualquer momento. As investigações continuam sendo realizadas pela Polícia Civil. Esse foi o sexto homicídio registrado no mês de março, igualando ao mesmo período de 2011, e 20º deste ano em Montes Claros, com média de 6,6 crimes por mês.

TENTATIVA DE HOMICÍDIO

Ainda na noite de quarta-feira (14), um homem foi baleado no Bairro Cristo Rei, região sul de Montes Claros. Segundo a Polícia Militar, Tiago Daneli de Souza Ferreira (20 anos), com quatro passagens pelos meios policiais, voltava para casa a pé, quando foi abordado na Rua F por Jefferson Gaia Silva, mais conhecido como Nem Galinha (18 anos). Ele sacou uma arma de fogo e fez vários disparos em direção a Tiago, que foi atingido na região lombar. A vítima foi encaminhada para o pronto-socorro da Santa Casa, ficando sob cuidados médicos. Na casa do suspeito, policiais militares encontraram uma bucha de maconha em seu quarto, que foi apreendida. Até o fechamento desta edição, ele não havia sido encontrado. Qualquer informação pode ser passada via 190 ou 181, sendo que o anonimato será preservado.

quarta-feira, 14 de março de 2012

GOSTO DE SANGUE NA BOCA

Jovem escapa de atentado quando estava namorando

Além do forte calor provocado pelo veranico de dois meses, o tempo ficou ainda mais quente em Montes Claros na noite de terça-feira (13). Além do assassinato de um menor no Jardim Alvorada, outro jovem quase engrossa a lista de homicídios na cidade. Quando estava sentado em frente à residência de sua namorada, na Rua Clementina Xavier, no Bairro Renascença, P. D. R. (22 anos), com quatro passagens pelos meios policiais, dois homens chegaram ao local numa motocicleta de cor azul, provavelmente uma Yamaha Fazer. Sem motivos aparentes, o passageiro sacou da cintura uma arma de fogo inoxidável e efetuou vários disparos em sua direção.
A vítima conseguiu sair correndo, mas foi alvejado por um dos disparos na perna direita. Após o fato, a dupla de atiradores fugiu, tomando rumo ignorado. Compareceu no local uma unidade do SAMU, que socorreu a vítima e a encaminhou para o Pronto-Socorro da Santa Casa, onde foi medicada e ficou em observação. A Polícia Militar realizou rastreamento para localização dos autores do delito, mas até o fechamento desta página, nenhum dos bandidos tinha sido preso. Qualquer informação pode ser passada via 190 ou 181, sendo que o anonimato será preservado.

VINTE BURACOS NO CORPO

Suspeito morre crivado de balas

O tempo fechou na Vila Mauricéia, na manhã da última segunda-feira (12), quando uma saraivada de tiros pôde ser ouvida em toda a região, assustando moradores e estudantes das instituições localizadas nos arredores. O descarregar de uma arma de calibre 380 culminou na morte de Willian Jefferson da Silva (27 anos), que foi sepultado na tarde de ontem (13), no Cemitério Parque Jardim da Esperança. Com várias passagens pelos meios policiais pelos crimes de tentativa de homicídio e porte ilegal de arma de fogo, o rapaz foi surpreendido quando estava na Rua Josina Ramos Guimarães.
Uma testemunha informou à Polícia Militar que teria escutado vários disparos de arma de fogo e resolveu verificar do que se tratava, quando percebeu um indivíduo correndo e entrando num Monza de cor escura, fugindo em seguida no sentido ao Bairro Todos os Santos.
Segundo testemunhas, que não quiseram se identificar, uma motocicleta escura foi quem deixou o autor dos disparos na Rua Oldemar Santos, sendo que o autor atravessou um beco a pé e saiu próximo à vítima, surpreendendo-a com o disparo de vários tiros.
Acionado, um perito compareceu ao local, realizou seus trabalhos e colheu 14 cápsulas de calibre 380. A vítima, que apresentava aproximadamente vinte perfurações provenientes de disparos de arma de fogo, foi encaminhada pelo próprio irmão ao pronto-socorro da Santa Casa de Montes Claros, onde foi submetida à cirurgia, mas acabou não resistindo e morreu por volta das 20 horas de segunda-feira. Em conversa com moradores e populares, pouca informações foram repassadas à Polícia Militar. Esse foi quarto assassinato do mês de março e o 18º do ano, com média de seis crimes por mês.

terça-feira, 13 de março de 2012

CRIME PASSIONAL

Velho conhecido da polícia mata amigo da ex-namorada

A violência voltou a pipocar em Montes Claros, nesta semana, quando mais dois homicídios foram registrados na cidade, com os dados do trimestre ficando bem próximos do mesmo período do ano passado, quando o município bateu o seu macabro recorde de 111 assassinatos. Após o terror praticado pelo tráfico de drogas na Vila Mauricéia, quando um rapaz de 27 anos morreu com o corpo crivado de balas, no final da noite de terça-feira, um adolescente de 17 anos também foi morto a tiros, no Bairro Jardim Alvorada dessa vez, possivelmente, por motivos passionais. Harley Kennedy Monção de Jesus passou a figurar como 19ª vítima de assassinato em Montes Claros neste ano e a quinta no mês de março.
O fato ocorreu por volta das 23 horas de anteontem, numa lanchonete situada na Rua Mário Almeida Furtado, no Bairro Jardim Alvorada, onde o menor estava na companhia da amiga Leidiane Pereira (20 anos), quando o ex-namorado da moça, Marcelo Douglas Meira Silva (19 anos), com 13 passagens pelos meios policiais, chegou a local. Por motivos passionais, Marcelo efetuou quatro disparos em direção a Harley Kennedy, que ainda conseguiu correr para o interior da lanchonete, tombou caiu ao solo. Atingido por três disparos, o adolescente chegou a ser socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes de chegar ao hospital.
Segundo testemunhas, Marcelo Douglas saiu do local a pé, entrou num veículo Fiat Uno prata e fugiu. Policiais militares do Grupo de Proteção à Vida (GPV) do 10º Batalhão compareceram à cena do crime e fizeram o levantamento sobre o autor dos disparos, que tem 13 passagens pelos meios policiais, caracterizando por si só a sua periculosidade, enquanto a vítima não tinha passagem nos meios policiais. A Perícia Técnica confirmou as três perfurações por projéteis no corpo do adolescente, sendo duas do lado esquerdo do tórax e uma no anti-braço esquerdo.
Até o fechamento desta edição, o suspeito não havia sido localizado. O caso está sendo investigado pela Polícia Civil. Este é o quinto assassinato do mês de março e 19º do trimestre em Montes Claros. No mesmo período do ano passado, quando o município bateu o seu próprio recorde macabro, com 111 mortes, 23 pessoas tinham sido assassinadas na cidade, valendo lembrar que ainda faltam 16 dias para fechar o trimestre.

sexta-feira, 9 de março de 2012

ADOLESCENTE EXECUTADO COM ONZE TIROS


O crime ocorreu na noite de quinta-feira no Edgar Pereira



Fotos: Heberth Halley


Mais um jovem foi assassinado este ano em Montes Claros. Gustavo Barbosa de Freitas Guedes (17 anos), foi executado com onze tiros por volta das 22 horas na avenida Irmão Jaime Damião, bairro Edgar Pereira.
O adolescente estava na avenida quando foi abordado por dois homens numa motocicleta. Com armas em punho, os pistoleiros executaram Gustavo Barbosa com sete tiros no rosto, dois no ombro, um na axila e outro no tórax. De acordo com a Polícia Militar, o jovem tinha três passagens pelos meios policiais.
O terceiro assassinato do mês de março e o 17º do ano em Montes Claros esta sendo investigado pela Polícia Civil que até o fechamento desta edição não tinha pistas dos assassinos.

ASSASSINATO DE AGENTE

Matadores são condenados a 51 anos






A expressão popular “a Justiça tarda, mas não falha” voltou a estar em evidência em Montes Claros, nesta semana, quando três homens foram condenados a 51 anos pelo assassinato de um agente penitenciário e práticas de outros crimes. Numa sessão que durou 18 horas no Fórum Gonçalves Chaves, julgados e condenados os homens que mataram o agente penitenciário Wedson Eduardo Cruz (30 anos) no mês de fevereiro de 2009. Os réus Anderson Ângelo Fernandes Santos, o Som (32 anos), Jaílson Pereira dos Santos, o Cromado (36) e Fabiano Soares dos Reis, o Nanin (32), respondiam pelos crimes de homicídio duplamente qualificado (sem possibilidade de defesa da vítima) e formação de quadrilha.
Jaílson Pereira dos Santos, acusado de efetuar os disparos, e o seu comparsa Fabiano Soares dos Reis, que segundo a Promotoria estava na hora do crime, foram condenados a 24 anos de prisão. Já Anderson Ângelo Fernandes Santos, acusado pela Promotoria como sendo o mandante da execução, foi condenado a 27 anos de reclusão. A sessão foi marcada pela emoção dos familiares do agente, que há três anos aguardava pelo julgamento. Durante todo o júri, a família da vítima acompanhou da primeira fila os trabalhos da defesa e da acusação. Para eles o que restava era a espera por justiça. No período, cinco testemunhas foram ouvidas.
A vítima, que era agente penitenciário em Montes Claros, segundo testemunhas, foi seguida por dois homens que estavam numa motocicleta. Wedson Eduardo foi assassinado com quatro tiros nas costas e um no braço. Na época, o crime gerou comoção entre os agentes penitenciários de Montes Claros, que ficaram assustados com ação do grupo. Para o promotor de Justiça Henry Wagner Vasconcelos de Castro, a condenação dos acusados, por quatro votos a três, foi uma vitória das provas colhidas por todo este tempo. Segundo Henry, não resta dúvida que os condenados estão envolvidos no assassinato do agente penitenciário.
Som, Cromado e Nanin encontram-se recolhidos no Presídio Regional de Montes Claros. Eles foram detidos em num lava-jato na Avenida Leonel Beirão de Jesus, Bairro Doutor João Alves, logo após o assassinato do agente Wedson Eduardo Cruz. O quarto envolvido no crime, segundo o promotor de justiça, é Waldemir Tavares da Silva Filho, alcunhado como Marlboro (32 anos). Ele é apontado pela Promotoria como um dos mandantes do crime.
Marlboro está preso na Penitenciária de Segurança Máxima de Francisco Sá. Tido pela Polícia como um dos chefes do tráfico de drogas em Montes Claros, ele também foi denunciado pelo Ministério Público.
De acordo com as apurações registradas nos autos do inquérito policial, em 4 de fevereiro de 2009, por volta das 7h35, o denunciado Fabiano Soares dos Reis, unido aos co-implicados, pelo comum e consciente intento de matar, transportou Jailson Pereira dos Santos sobre a garupa de motocicleta Honda Titan prata às proximidades do número 270 da Avenida Antônio de Freitas, Bairro Jaraguá II, local onde o garupeiro efetuou com arma de fogo de calibre 38 diversos disparos contra o agente penitenciário Wedson Eduardo Cruz, que também conduzia uma motocicleta na via pública, ocasionando-lhe lesões corporais fatais descritas no Relatório de Necropsia. Segundo o Ministério Público, o assassinato do agente, que residia na cidade de Bocaiúva, teria partido do Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo.
De acordo com os levantamentos, a facção criminosa tinha decidido atacar pessoas que combatem a criminalidade em Montes Claros como forma de amedrontá-las.

HOMICÍDIOS EM QUEDA NO MUNICÍPIO

Apesar dos 16 homicídios deste ano,
registros são inferiores aos de 2011


O ano de 2012 começou violento em Montes Claros, mas com um alento para a população, que espera que o número de homicídios e demais crimes violentos caiam sobremaneira no município, ao contrário de 2011, que começou quente e fechou com 111 assassinatos, um aumento de 20% em relação a 2010. Nos dois primeiros meses do ano passado, 17 homicídios foram registrados em Montes Claros, sendo oito em janeiro e nove em fevereiro. Neste ano, 14 crimes aconteceram nos dois primeiros meses, sendo seis em janeiro e oito em fevereiro. Nos três primeiros meses de 2011, foram 23 mortes no município, sendo seis em março. Neste ano, foram 16 no primeiro trimestre até o momento, os dois deste mês no último final de semana.

CRIMES

Uma tragédia familiar foi registrada na noite de sábado (3), na Vila Sion. Segundo a Polícia Militar, Eliane Aparecida Vieira Silva (36 anos) tinha brigado com o marido André Luiz Gomes da Silva (41). Sob efeito de álcool, ele teria quebrado parte dos móveis da casa e passou a ameaçar a amásia. Ela pegou uma faca e feriu o marido na perna. André Luiz não resistiu ao ferimento e morreu antes de ser socorrido pelo Samu. Eliane Aparecida foi presa e encaminhada para a Delegacia. Em depoimento à Polícia, a mulher disse que era amasiada com André Luiz Gomes há aproximadamente seis anos e que, constantemente, vinham ocorrendo desentendimentos entre eles.
No sábado, a situação piorou, quando eles voltaram a discutir após uso de bebida alcoólica. De acordo com a autora, o seu amásio começou a quebrar os móveis da casa e, não satisfeito, ameaçou bater nela, pegando-a pelo colarinho da blusa e fazendo um gesto de dar-lhe um soco. Ela acabou pegando uma faca estava próxima numa gaveta e desferiu um golpe na perna esquerda do homem, que saiu correndo pela rua e caiu ao solo. Eliane seguiu pedindo socorro em direção a uma viatura da PM que passava pelo local.
Diante da situação, o sargento Vanderley deu voz de prisão à mulher. Foi acionada a pericia técnica, que fez os trabalhos de praxe e constatou uma perfuração no terço superior da perna esquerda provocada pela faca. O corpo foi liberado para a funerária Avelar e, posteriormente, encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ser necropsiado. A mulher foi entregue na Delegacia de Polícia, juntamente com a arma do crime apreendida, uma faca tipo peixeira de aproximadamente 15 centímetros de lamina.

MENOR EXECUTADO

Na madrugada de domingo, um adolescente de 17 anos foi executado com vários tiros no Bairro Raul José Pereira, no fundo do Parque de Exposições João Alencar Athayde, região do Grande Renascença. De acordo com a PM, Thiago Fagundes Pereira estava numa lanchonete na Avenida Bio Lopes à espera de um lanche, quando dois homens armados chegaram e fizeram quatro disparos em sua direção. Thiago Pereira foi atingido na cabeça e no ombro direito, morrendo na hora. Consumado o crime, os pistoleiros fugiram.
Um perito da Polícia Civil esteve na cena do crime e, após os levantamentos de praxe, liberou o corpo, que foi encaminhado para o Instituto Médico Legal (IML) para ser necropsiado. Até o fechamento desta edição, nenhum suspeito havia sido preso. O caso está sendo investigado por policiais da 101ª Área Integrada de Segurança Pública (AISP 101), que já instaurou inquérito policial.

COMPARATIVO

A população de Montes Claros espera que a criminalidade seja reduzida consideravelmente neste ano e se anima com o início de 2012 um pouco menos violento que o início de 2011. No ano passado, houve um aumento de 20% os casos de homicídios em relação a 2010, conforme matéria veiculada nesta semana no MGTV da InterTV Grande Minas. Os números, segundo a reportagem, podem explicar a sensação de insegurança dos moradores, mesmo sendo este o único tipo de crime que cresceu na cidade, de acordo com a Polícia Militar.
Os crimes violentos têm assustado os moradores e o advogado criminalista, Erick Rodrigues, atribui a incidência desse tipo de ocorrência à sensação de impunidade que paira sobre os marginais. O hall de crimes violentos é composto por oito delitos, sendo que o homicídio é o mais grave e o que mais preocupa a Polícia. O capitão, Giovane Rodrigues, acredita que por conta desta crescente nos assassinatos, a população ainda sinta esta sensação de insegurança. Segundo dados da Polícia Militar, 80% dos crimes na região estão relacionados ao tráfico de drogas.

VÍTIMAS BALEADAS ESCAPAM DA MORTE

Polícia investiga tentativas
de homicídio no município


Além dos homicídios registrados no fim de semana, a Polícia Civil investiga duas tentativas de assassinato ocorridas na noite da última sexta-feira (2), em Montes Claros. No Bairro Santo Antônio II, um jovem de 18 anos foi baleado no rosto, ombro, antebraço direito e abdômen. Segundo Bruno Reis Alves, quando estava na residência da sua tia, um adolescente o chamou para sair. Quando chegaram próximo ao córrego na Rua Dezessete, Bruno Reis foi surpreendido por dois rapazes conhecidos como Wanderson e Carlos Roberto, que quais efetuaram vários disparos de arma de fogo em sua direção.
Ferido, Bruno foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado para o hospital da Santa Casa. Já o menor não foi atingido pelos disparos. A vítima não corre risco de morte. Segundo a PM, na residência do suspeito Carlos Roberto foi apreendida uma balança de precisão e material para embalagem de droga, mas nenhum suspeito tinha sido preso.
Na mesma noite, no Bairro Nossa Senhora das Graças, dois homens numa moto Yamaha roxa fizeram vários disparos contra dois rapazes. A tentativa de execução ocorreu na Avenida Queluz e, segundo a PM, Crisomberto Rodrigues (19 anos) contou que dirigia seu Corsa levando o irmão, um menor de 13 anos, quando foram surpreendidos pelos dois pistoleiros. Um dos tiros atingiu o menor de raspão no peito.
Após os disparos, Crisomberto fugiu e diz que foi perseguido pelos suspeitos até próximo ao 10º Batalhão da PM, onde pediu socorro. O menor foi levado para a Santa Casa e recebeu alta. A PM informou que Crisomberto foi preso porque existiam contra ele dois mandados de prisão em aberto por homicídio e tentativa de homicídio. A Polícia suspeita que o alvo dos atiradores fosse Crisomberto, mas os disparos acabaram atingindo o seu irmão menor de idade. O caso esta sendo investigado.

terça-feira, 6 de março de 2012

CASO CHIQUINHO DESPACHANTE

Polícia investigará desaparecimento
e morte de comerciante de veículos


O militar Laércio Soares de Melo, o Cabo Melo, poderá ser investigado novamente, desta vez pelo desaparecimento e morte do comerciante Gilberto Martins, ocorrido em 2003. Segundo familiares do desaparecido, na época eles moravam na Rua Seis, na Vila Oliveira, em Montes Claros, e Gilberto tinha uma oficina de bicicletas na Avenida Castelar Prates, na praça do Bairro Major Prates. Ele também comprava e vendia carros e motos usados. O militar e Gilberto eram amigos e o cabo aparecia sempre com carros usados, que dizia ter adquirido de terceiros e os colocava nas mãos dele para vender, sob comissão.
Segundo relato de familiares, Gilberto saiu de sua casa, na manhã de 27 de junho de 2003, em seu veículo Kadett cinza, que havia adquirido uma semana antes. Levava cerca de R$ 5 mil em dinheiro, e estava na companhia do militar. Disseram que iriam fazer uma viagem de negócios, mas nunca mais apareceu.
De acordo com a esposa de Gilberto, no dia seguinte ao que viajaram, o militar retornou à sua casa dirigindo o veículo Kadett do seu esposo, procurando por ele e afirmou que tinham voltado no mesmo dia e que ele havia sido deixado no centro de Montes Claros. Segundo ela, o militar teria afirmado que eles fizeram um acerto de contas, tendo o cabo Melo recebido o veículo de Gilberto e que ele teria comprado uma moto e teria ido fazer negócios em Urucuia.
A viúva relatou que, durante meses, ela e o seu filho, com apenas dois anos de idade, passaram por diversas privações e necessidades, tendo até perdido a casa onde morava, porque não teve como pagar as prestações. A casa, segundo contou, foi transferida para um amigo do próprio cabo Melo, conhecido apenas como Paulista, que se comprometeu a quitar a dívida de financiamento. Mas sabe-se que não cumpriu com o acordo. Por todos os anos seguintes, o desaparecimento permaneceu totalmente obscuro, tendo a esposa ouvido diversos boatos de que Gilberto teria ido para fora do Brasil; que tinha ganhado muito dinheiro e constituído nova família; que estava em São Paulo – ou Rio de Janeiro – curtindo a vida. Ou que teria tido um “surto” e estaria vagando como mendigo.
Até que ela, recentemente, recebeu de um conhecido, a informação de que havia sido enterrado no cemitério de Urucuia, na primeira semana de julho de 2003, um cadáver sem identificação, com o corpo queimado e com sinais de um tiro na nuca. Ele havia sido encontrado a poucos metros da margem da MG 402, a cerca de 30 quilômetros antes de Urucuia. Após quase nove anos de dúvida, em fevereiro deste ano foi feito exame DNA da ossada. O cadáver foi identificado como sendo de Gilberto Martins, seu desaparecido esposo. O caso somente veio à tona durante as investigações do desaparecimento de Francisco Santos Filho – o Chiquinho Despachante –, mediante denúncias de pessoas que sabiam do desaparecimento de Gilberto Martins, em circunstâncias idênticas ao desaparecimento de Chiquinho.
Na época em que Gilberto sumiu, a sua esposa registrou ocorrência do desaparecimento, dizendo que “ele teria viajado com um conhecido”, sem citar o nome do militar, porque “nunca iria desconfiar de um amigo de Gilberto”.
Atualmente, a viúva do desaparecido – que pediu para não ser identificada por motivo de segurança – reside na região rural de Riacho dos Machados e apela para que sejam feitas investigações, afirmando que prefere não acreditar no envolvimento do militar, uma vez que ele e o seu esposo eram amigos e se tratavam como “compadres”.
Ela afirmou ainda que sequer desconfiava do militar, tendo até trabalhado gratuitamente para ele nas vezes em que o mesmo foi candidato. E que foi a própria polícia de Belo Horizonte que decidiu investigar as coincidências.
Segundo fonte da Polícia Civil – que pediu para não ser identificada –, deverá ser investigada também a possibilidade de que a família de Gilberto tenha permanecido sob coação e ameaça durante todos esses anos.
Quanto ao caso do Chiquinho Despachante, existem informações não confirmadas de que estão sendo aguardados exames de DNA de uma ossada com características parecidas com o perfil ósseo do despachante, encontrada sem roupas e com aparentes sinais de execução. Não existem informações do local onde a ossada foi encontrada e o inquérito está sendo conduzido pela Delegacia de Homicídios, em Belo Horizonte.
Em Montes Claros, na AISP 98, o militar já foi indiciado pela prática de estelionato, falsificação de documentos e apropriação indébita de um carro e de um barracão do despachante.
Segundo se apurou, o cabo Melo está afastado do policiamento ostensivo e encontra-se trabalhando internamente realizando “serviços administrativos” e há rumores de que pretende ser candidato nas próximas eleições. O militar também é réu num processo criminal que apura um suposto crime de ameaça feita contra um dos procuradores da família de Chiquinho.
Recentemente, o militar afirmou numa entrevista a uma rede de televisão que Chiquinho vai voltar e prestar declarações antes das eleições deste ano.Segundo fonte da Polícia Civil, os investigadores pretendem interrogá-lo a respeito disso, pois pareceu ter informações privilegiadas.
Existem rumores de que outros desaparecimentos com circunstâncias similares também estão sendo investigados. Temendo pela segurança própria e das testemunhas, as famílias esperam a decretação de prisão a qualquer momento das pessoas envolvidas. Se ficarem comprovados os fatos e identificados os autores, os casos serão enquadrados como sequestro e homicídio com apropriação de bens, com pena entre 15 e 40 anos de prisão por cada um dos desaparecidos.
As investigações devem se acelerar para evitar injustiças com a prescrição de crimes contra Gilberto Martins, pois já se passaram oito anos e oito meses de mistério. E somente em fevereiro deste ano a morte foi comprovada.

DOIS CASOS DE DESAPARECIMENTO

Uma intrigante coincidência de
apenas um corpo encontrado


Segundo os familiares do comerciante Gilberto Martins. ele desapareceu no dia 27 de junho de 2003, quando fez uma viagem de negócios, em companhia de um amigo seu, o militar conhecido como cabo Melo. Embora o militar tenha afirmado que retornaram no mesmo dia e o deixou no centro de Montes Claros, seu corpo foi encontrado carbonizado e com sinais de um tiro na nuca, no dia 2 de julho de 2003, enterrado em cova rasa às margens do Km 86 da MG-402, a cerca de 30 km de Urucuia.
Mas, na época, a família não tomou conhecimento do corpo encontrado. O exame de DNA somente foi feito quase nove anos depois, em fevereiro deste ano. O militar ficou com um carro do desaparecido, sob argumento de que teriam feito negócio no próprio dia em que viajaram. A viúva também alega que perdeu a casa em que moravam, na Rua Seis, na Vila Oliveira. O caso somente veio à tona durante as investigações do caso Chiquinho Despachante, através de denúncias de terceiros.

O despachante Chiquinho

Segundo inquérito em apuração, ele desapareceu no dia 30 de dezembro de 2009, quando foi para o Sítio São João, na região rural de Lagoinha, em Montes Claros, em companhia do militar conhecido como cabo Melo, seu amigo. Embora o militar tenha afirmado que retornaram no mesmo dia e o deixou no centro de Montes Claros, Chiquinho nunca mais foi visto.
Há rumores do encontro de uma ossada que pode ser do despachante, mas a informação não é confirmada pela Polícia. O militar já foi indiciado por estelionato, falsidade de documentos e apropriação de um carro e um barracão do despachante. Dia 7 de março, se estivesse por aqui, Chiquinho estaria com sua família e amigos comemorando 41 anos.